terça-feira, 10 de setembro de 2013

[Oportunidade] Desenvolvedor Ruby on Rails Jr.

Estamos precisando de um desenvolvedor Ruby com alguma experiência (mesmo que seja em projetos open source) para atuar em alguns projetos na Gistia. A Gistia é uma empresa de desenvolvimento que atende primeiramente clientes nos Estados Unidos. 

O candidato deve ter um bom conhecimento em desenvolvimento Ruby e Ruby on Rails, testes com RSpec e HTML5 / CSS3. 

O dia a dia será de desenvolvimento evolutivo de projetos de clientes já existentes e novos projetos. 

A idéia é eleger um candidato e fazer uma experiência de uma semana trabalhando junto. O candidato pode trabalhar de qualquer lugar remotamente. 

A Gistia tem um time distribuído ao redor do mundo então ter um bom inglês é imprescindível. 

Requisitos: 

- Programador nato, que goste do que faz; 
- Alguma experiência com Ruby e Ruby on Rails (mesmo que em projetos open source); 
- Experiência com BDD e/ou TDD - preferencialmente RSpec; 
- Conhecimento de design com HTML5 e CSS3. 

Diferenciais: 

- Experiência com algum framework de JavaScript, como Backbone, EmberJS ou AngularJS; 
- Conhecimento de administração de sistemas Linux (especialmente Ubuntu e/ou CentOS); 
- MongoDB; 
- node.js; 

Mande um email para felipe@gistia.com contando um pouco da sua experiência como desenvolvedor, seu currículo, sua conta no GitHub e a sua pretensão de valor/hora. 

A contratação inicial será como PJ. 


Como se candidatar
Email para felipe@gistia.com
Cidade
Campinas - SP
Empresa
Gistia


Fonte: OndeTrabalhar.com

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

[Oportunidade] Programadores Ruby on Rails Pleno e Sênior

Empresa voltada para o mercado B2B, Startups, E-Commerce, e outros projetos interessantes, busca programadores para expandir sua equipe de desenvolvimento. 
A empresa possui um ambiente de trabalho cheio de desafios, clima descontraído, e uma equipe colaborativa. Se você quer crescer profissionalmente e expandir seus conhecimentos, em uma cultura de pessoas brilhantes, nós estamos procurando por você. 

Pré-requisitos:
- Experiência profissional em Ruby on Rails.
- Experiência com Front-End (CSS, HTML, JavaScript)

Desejável: Formação em engenharia/ciência da computação.

Local de Trabalho: Copacabana/RJ 
Como se candidatar
Os interessados deverão enviar CV com URGÊNCIA para kgarcia@arpexcapital.com.br, mencionando no assunto Programador Ruby on Rails.
Cidade
Rio de Janeiro - RJ
Empresa
Arpex Capital


Fonte: OndeTrabalhar.com

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

[Evento] RubyConf Brasil vem aí

A RubyConf Brasil 2013, uma das maiores conferências de tecnologia da América Latina, será realizada nos dias 29 e 30 de agosto, no Espaço Frei Caneca no centro de São Paulo. O evento, voltado principalmente para programadores da linguagem Ruby on Rails, também abordará assuntos como sloud computing e startups. Os 25 palestrantes são estrangeiros e brasileiros que trabalham em grandes empresas pelo mundo como SoundCloud e Twitter.
RubyConf (Foto: Divulgação)RubyConf Brasil (Foto: Divulgação/RubConf)
O RubyConf foi uma iniciativa da Locaweb que surgiu a partir do Rails Summit Latin America, que teve duas edições de sucesso em 2008 e 2009. Com o intuito de aprofundar o debate sobre linguagens de programação, em 2010, o evento passou a se chamar RubyConf Brasil, uma alusão a Ruby on Rails, uma das mais populares linguagens de programação.
Segundo os organizadores, durante todas as palestras será utilizado o sistema de tradução simultânea, facilitando, assim, a interação e o entendimento entre todos os participantes. Será dado destaque a alguns programadores que são chamados de “Rubystas”, como José Valim, Hal Fulton, Hongli Lai, Luarent Sansonetti e Rodrigo Franco. Ao total são 27 palestrantes: 15 são do exterior e seis são brasileiros que moram e trabalham em empresas fora do país.
Segundo Luis Carlos dos Anjos, gerente de marketing institucional e responsável pela Conferência, a RubyConf é uma excelente oportunidade para que os participantes conheçam empresas e profissionais que já estão trabalhando nessa área. “Teremos, além de grandes palestrantes brasileiros, muitos estrangeiros vindos de grandes empresas”, afirma dos Anjos.
Para o RubyConf Brasil 2013 são esperadas mais de mil pessoas no evento, que será realizado no Teatro Frei Caneca, em São Paulo. O passaporte para os dois dias do conferência custa R$ 350,00 e pode ser adquirido pelo site da RubyConf Brasil 2013.
Abaixo, a programação e todos os palestrantes da RubConf Brasil e suas empresas:
29 de agosto
Kevin Triplett – Abraxas productions
Eduardo Shiota Yasuda – Baby.com.br
Philip Calçado – SoundCloud
Danilo Sato – TroughWorks
Halan Pinheiro – Codeminer 42
Pablo Astigarraga – Vivid Cortex
Carlos Duarte do Nascimento(Chester) – Unken Games
Carlos Souza – Envy Labs
Bruno Oliveira (abstractj) – Jboss, a Division of Red Hat
Lucas Mazza – Plataformatec
Ben Langfeld – Mojo Lingo LLC
Carlos Galdinho – Plataformatec
Hongli Lai – Phusion3
30 de agosto
Hal Fulton – Simpli.fi
José Valim – Plataformatec
Arhur Nogueira Neves – Shopify
Tiago Bastos – Codeminer42
Eduardo Gurgel – Codeminer42
Luis Cipriani – Twitter
Jaime Andrés Dávila – Neo.com
Laurent Sansonetti – RubyMotion
Nando Vieira – Hellobits
Willian Molinari (PotHIx) – Locaweb
João Moura – Palpiteros
Rodrigo Franco (Caffo) – LivingSocial
Fonte: techtudo

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

[Evento] Frevo on Rails promove debate sobre a linguagem Ruby

Desenvolvedores, empreendedores, empresários e interessados sobre a linguagem de programação Ruby são o público-alvo do evento Frevo on Rails. O encontro acontecerá no próximo dia 13 de setembro, a partir das 9h, no auditório do ITBC, na rua da Guia, 142, Recife. Serão apresentadas quatro palestras de diversos assuntos como, APIs, web services, sistemas de recomendação e deployment.

Além disso, a 17ª edição do Frevo on Rails contará com uma mesa redonda para falar sobre a RubyConf Brasil 2013. O encontro nacional acontecerá nos próximos dias 29 e 30 agosto.

As inscrições do Frevo on Rails podem ser feitas no site Eventick. Confira a programação:

9h - Redu Walled Garden (Guilherme Cavalcanti e Tiago Ferreira - Redutech)
9h30 - Sistemas de recomendação com Ruby (Marcel Caraciolo - PyCursos)
10h - Intervalo
10h30 - Opções de deploy: como a Cláudia pode te ajudar (Lailson Bandeira - Guava)
11h - Designing Great APIs (Fernando Kakimoto - ThoughtWorks)
11h30 - Mesa redonda sobre a RubyConf Brasil 2013


Fonte: DiarioDePernambuco

[Oportunidade] Ruby on Rails - Lisboa


Descrição da Empresa

A PrimeIT Consulting SA. é uma empresa que ousa desafiar os limites da Consultoria. Surgindo no final de 2006, tem por missão a prestação de serviços de consultoria e outsourcing. Desenvolvemos um trabalho em colaboração próxima com o Cliente, despoletando sinergias claras nesta relação. As nossas competências, talento, motivação e sentido de missão contribuem de forma inequívoca para a criação de valor para o Cliente. Procuramos as melhores soluções adaptadas à realidade concreta das necessidades dos nossos Clientes. Fazemo-lo em tempo útil. A nossa eficiência e eficácia permite-nos atingir com êxito os desafios a que nos propomos. A transparência e o compromisso são os vectores fundamentais na relação entre a PrimeIT Consulting e os seus Clientes. O nosso objectivo passa pela construção de relações bem sucedidas e de longa duração com os nossos clientes, ganhando o seu respeito como o parceiro de referência.

Detalhe da Função

A PrimeIT procura analista/programador Ruby on Rails. Desenvolvimento em Ruby on Rails. Conhecimentos em: Ruby, HTML, XML, Ajax, Webservices, CSS (bootstrap), Javascript (jQuery), Unix, Passenger; Base de dados: MySQl, Oracle. Desenvolvimento de funcionalidades evolutivas e resolução de bugs das aplicações web. Perfil Comportamental: Proactividade e autonomia; Flexibilidade, disponibilidade e elevado sentido de responsabilidade; Foco em data governance e interesse pelo negócio. Oferecemos: Integração em equipa jovem e dinâmica para os quadros da nossa empresa; Pacote salarial atractivo indexado ao nível de experiência; Participação em projectos aliciantes, motivadores, nacionais/internacionais; Formação constante nas mais recentes e inovadoras tecnologias. 

Local de trabalho: LISBOA

Fonte: emprego.sapo.pt

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

[Oportunidade] Analista Programador Ruby On Rails - SP

Oportunidade para trabalhar numa empresa que conta com uma equipe de designers e especialistas em desenvolvimento que transformam as ideias em etiquetas e acessórios para grandes marcas do mercado.

• Mínimo 2 a 3 anos de experiência na linguagem Ruby.
• Especificação e desenvolvimento de sistemas.

Local de trabalho: Pari / SP (zona norte)
Forma de contratação: PJ
Como se candidatar
Enviar CV para: selecao@valenti.com.br
Cidade
São Paulo - SP
Empresa
Valenti Network


Fonte: OndeTrabalhar.com

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

[Oportunidade] Desenvolvedor Ruby on Rails - SP

Buscamos um desenvolvedor que tenha excelentes conhecimentos em Ruby on Rails. Irá trabalhar em produtos de tecnologia da própria empresa, que está iniciando novos projetos, é inovadora e está em constante crescimento.

É essencial que conheça (dentre muitas outras coisas): 
• Desenvolvimento Web (!!!)
• HTML / CSS
• Ruby / Rails
• Test Driven Development
• Git

Infelizmente no momento não temos como trabalhar com profissionais remotamente.

Essa oportunidade é para se trabalhar fixo no nosso escritório na Vila Olímpia - SP.
Como se candidatar
Envie um email para vagas@medscale.com.br com seu currículo ou conta do github
Cidade
São Paulo - SP
Empresa
Medscale Tecnologia


Fonte: OndeTrabalhar.com

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O que é Ruby on Rails

Ruby on Rails é um framework livre que promete aumentar velocidade e facilidade no desenvolvimento de sites orientados a banco de dados (database-driven web sites), uma vez que é possível criar aplicações com base em estruturas pré-definidas. Frequentemente referenciado como Rails ou RoR, o Ruby on Rails é um projeto de código aberto escrito na linguagem de programação Ruby. As aplicações criadas utilizando o framework Rails são desenvolvidas com base no padrão de arquitetura MVC (Model-View-Controller).

Rails é um "meta-framework" (ou seja, um framework de frameworks), composto pelos seguintes frameworks:
  • O Active Record é uma camada de mapeamento objeto-relacional (object-relational mapping layer), responsável pela interoperabilidade entre a aplicação e o banco de dados e pela abstração dos dados;
  • Compreende o Action View (geração de visualização de usuário, como HTMLXMLJavaScript, entre outros) e o Action Controller (controle de fluxo de negócio);
  • O Action Mailer é um framework responsável pelo serviço de entrega e até mesmo de recebimento de e-mails. É relativamente pequeno e simples, porém poderoso e capaz de realizar diversas operações apenas com chamadas de entrega de correspondência;
  • Active Support é uma coleção de várias classes úteis e extensões de bibliotecas padrões, que foram considerados úteis para aplicações em Ruby on Rails;
  • Action Web Service provê uma maneira de publicar APIs interoperaveis com o Rails, sem a necessidade de perder tempo dentro de especificações de protocolo. Implementa WSDL e SOAPO Action Web Service não estará mais presente na versão 2.0 no Rails, visto que o mesmo está voltando-se para a utilização do modelo REST. Mesmo assim, aos ainda interessados em utilizá-lo, será possível fazê-lo através da instalação de um plugin.

Ruby on Rails segue dois conceitos que visam aumentar a produtividade do desenvolvedor: DRY e Convention over Configuration. Estes métodos estão implementados por todo oRails, mas podem ser mais notados nos "pacotes" do Active Record (ORM, Object Relational Mapper) e Action Pack (MVC).
O DRY (Don't Repeat Yourself, Não se repita) é o conceito por trás da técnica de definir nomes, propriedades e códigos em somente um lugar e reaproveitar essas informações em outros.
Por exemplo, ao invés de ter uma tabela Pessoas e uma classe Pessoa, com uma propriedade, um método "leitor" (getter) e um "modificador" (setter) para cada campo na tabela, tem-se apenas no banco de dados. As propriedades e métodos necessários são "injetados" na classe através de funcionalidades da linguagem Ruby.
Com isso, economiza-se tempo, já que não é necessário alterar a tabela, o "bean", o "form bean", o "local home", o "home", o "session", ... Alterando apenas no banco de dados, tudo o que se baseia nessas informações é atualizado automaticamente.
Na maioria dos casos, usamos convenções no dia-a-dia da programação, em geral para facilitar o entendimento e manutenção por parte de outros desenvolvedores. Sabendo disso, e sabendo que o tempo gasto para configurar XML em alguns frameworks de outras linguagens é extremamente alto, decidiu-se adotar esse conceito.
Ele diz basicamente que deve-se assumir valores padrão onde existe uma convenção. Se o desenvolvedor quiser, pode-se sobrescrever essa convenção com o valor necessário. Por exemplo, uma classe User pode ter seus dados armazenados na tabela Customer. Seguindo a convenção, seria na tabela Users. Com isso, o tempo de desenvolvimento cai ainda mais.
A maioria dos sites não necessita de esquemas sofisticados de escalabilidade, bastando alguns aceleradores. Em sites menores ou normais, uma configuração padrão do servidor web consegue suportar uma boa quantidade de carga, principalmente se forem usados o FastCGI, LightTPD ou Mongrel, que são necessários para obter uma velocidade aceitável de abertura da página. Comparando uma aplicação com FastCGI e sem FastCGI (rodando Ruby direto como CGI), a diferença é perceptível em qualquer aplicação. O processamento do código (sem contar o tempo de download) em CGI ocorre em no mínimo 10 segundos mesmo em servidores Quad Core, enquanto que em FastCGI o desempenho é notável: em no máximo 1 segundo a página é processada, tal qual linguagens web como PHP.
Existem casos de sites feitos em Rails que suportaram 5 milhões de visitas em um mês, ou seja, aproximadamente 115 por minuto, uma performance considerada suficiente para 90% das aplicações atuais. Nestes sites, uma questão frequente é sobre a escalabilidade de aplicações escritas em Rails. Ao contrário de outras tecnologias, você não precisa fazer um código específico para que o sistema esteja preparado para "escalar". Quando necessário pode-se adotar uma das táticas disponíveis para escalabilidade em Rails. Vale notar que o único problema da escalabilidade é a manutenção de sessões entre servidores. Portanto, a saída mais óbvia é guardar estas sessões em volumes NFS, acessíveis por todos os servidores de aplicação. Outra tática é usar o armazenamento de sessões diretamente no banco de dados. Uma terceira, seria salvar a sessão em um cookie na máquina do usuário.

FONTE: WIKIPEDIA

Ruby: Orientação a objetos em detalhes

Olá, pessoal! 
De fato, a linguagem ganhou bastante destaque no cenário mundial graças ao framework Ruby on Rails, e por esse mesmo motivo percebo que a grande maioria dos desenvolvedores iniciam o aprendizado sobre Rails e Ruby ao mesmo tempo. Com isso, alguns pontos importantes da linguagem são “aprendidos” de forma secundária, sem um entendimento mais aprofundado sobre como as coisas realmente funcionam.
Por esse motivo, vou iniciar a série falando sobre Orientação a Objetos em Ruby. Não vamos, aqui, abordar o paradigma de Orientação a Objetos em si, mas sim algumas particularidades da linguagem.
Nesse contexto, uma das frases mais famosas é: “Em Ruby tudo é objeto”.
Mas o que isso realmente significa?
Significa que até mesmo uma classe é um objeto. Nesse caso, uma classe é um objeto da classe Class. O principal para entendermos essa afirmação está relacionado com o fato de que Ruby é uma linguagem interpretada e as definições de nossos programas são literalmente executadas. Logo, quando definimos uma classe, estamos na verdade criando uma instância da classe Class e, com isso, para entendermos de forma mais clara o funcionamento do modelo de objetos em Ruby, é necessário pensarmos em função dos objetos, e não das classes.
Um exemplo: podemos definir uma simples classe em Ruby da seguinte forma:
class Person
end
p = Person.new
Quando esse código for interpretado, um objeto do tipo Class será criado e associado com uma constante global, que no caso é “Person”.
Vejam que pelo simples fato de escrevermos class Person end já estaremos criando um objeto. Quando fazemos Person.new, estamos criando um objeto Person, e o método new do objeto Class é executado por padrão.
Uma outra frase famosa: “Ruby é uma linguagem 100% orientada a objetos”.
Isso quer dizer que, diferentemente da maioria das linguagens, não temos construções como number = Math.abs(number), onde um método separado é chamado. Esse é um código Java onde o static method abs da classe Math é chamado para poder calcular o valor absoluto do número passado como
parâmetro.
Em Ruby, a responsabilidade de determinar o valor absoluto de um número pertence aos próprios números. Logo, podemos ter algo como: number = number.abs. Nesse caso, podemos dizer que estamos enviando a mensagem “abs” para o objeto number.
Uma nova frase famosa: “Em Ruby as classes são abertas”.
Isso significa que, ao contrário da maioria das outras linguagens de programação, podemos “injetar” códigos para modificar qualquer classe. Pelo dinamismo da linguagem, isso acontece em tempo de execução, e essa é uma das funcionalidades que mais tornam a linguagem poderosa. Não só podemos injetar códigos, mas também modificar comportamentos.
Vamos a um exemplo prático. Iremos definir uma classe com apenas um método e logo abaixo iremos acrescentar um novo.
class Animal
  def speak
    puts "speaking..."
  end
end

class Animal
  def walk
    puts "walking..."
  end
end
No segundo trecho, é como se nós estivéssemos “abrindo” a classe Animal e injetando um novo método.
class Animal
  def speak
    puts "Speaking"
  end
end

def walk
  puts "Walking"
end

Animal.send(:public, :walk)
No caso acima, utilizar o “send” permite-nos criar objetos da classe Animal que respondem à mensagem “walk”.
Uma dúvida que talvez possa surgir: o que o método walk está fazendo “perdido” no exemplo acima? Na realidade ele não está “perdido”. Ele já está dentro de um objeto chamado main, que no caso é uma instância da classe Object.
Continuando os exemplos de “classes abertas”, em um dos exemplos acima foi citado que em uma instrução do tipo Person.new, o método new do objeto Class é executado por padrão. Se Class é um objeto da classe Class, podemos “abri-la” e também alterar seu respectivo funcionamento.
Vejam um exemplo:
class Class
alias oldNew new
def new(*args)
print "Creating a new ", self.name, "\n"
oldNew(*args)
end
end

class Name
end

n = Name.new #Creating a new Name
Nesse trecho de código, primeiramente “abrimos” a classe Class e criamos um alias (apelido) para o método new. Agora ele se chama oldNew. Tecnicamente falando, o método de classe alias cria um novo método e o aponta para a implementação do método antigo.
Em seguida, definimos o “nosso” método new e inserimos um simples print, indicando que estamos criando um novo objeto. Por último, realizamos a chamada do “verdadeiro” método new passando os mesmos argumentos, para que ele possa alocar espaço para o objeto.
Com isso é como se estivéssemos “sobrescrevendo” o método new.
Quando a instrução n = Name.new for executada, deveremos ver a mensagem “creating a new Name” sendo exibida.
Relembrando que tudo é objeto.
Para finalizar, vamos verificar uma simples atribuição do tipo.
number = 7 + 3  
Algumas pessoas se assustam ao saber que nesse caso o = (igual) na verdade é um método. Nesse exemplo da atribuição acontece o seguinte:
  1. O + (mais) é um método do objeto 7, e este é uma instância da classe Fixnum.
  2. 3 também é uma instância da classe Fixnum e é passada como parâmetro para o método + (mais)
  3. O resultado (que é uma instância da classe Fixnum) é atribuído para o objeto “number”.
Vamos a um outro exemplo mais detalhado.
Vejamos esta instrução:
Person.name = "My new name!" 
Aparentemente estamos acessando o atributo “name” da classe Person e atribuindo um novo valor. Correto?
Não. A classe Person possui este método(name=) que permite atualizar o valor. Ruby irá interpretar a chamada da seguinte forma:
Person.nome=("My new name!") 
Percebam que na verdade o método se chama name= e recebe como parâmetro uma String como o novo nome. Logo, em Ruby não é possível acessar diretamente os atributos de uma classe.
Em meu próximo artigo irei abordar outras peculiaridades da linguagem para que em breve possamos falar de um assunto bastante discutido na comunidade Ruby: Metaprogramação!
Até a próxima!

FONTE: iMasters

sexta-feira, 26 de julho de 2013

[Vídeo] Instalação Ruby on Rails Windows 7

Tudo bem pessoal?

Hoje estarei postando um vídeo que um seguidor fez exclusivamente para o blog, com intuito de auxiliar a instalação do Ruby on Rails. O passo a passo está bem explicativo, e ajudará as pessoas que querem instalar ou tiveram dificuldade com o post antigo (link).

Segue o vídeo do amigo Thiago Tenório:




Quem achar que o vídeo ajudou, dá uma curtida lá! ;)



Qualquer dúvida ou sugestão podem usar o espaço do blog ou do youtube para fazer os comentários. Fiquem à vontade!

Abraços!

Links relacionados:
https://www.youtube.com/user/TheTutoriaisInfo/videos
http://rubyonrailsbr.blogspot.com.br/2013/07/instalacao-ruby-on-rails-windows-7.html

[Oportunidade] Ruby on Rails Developer

We are looking for developers that enjoy coding to be part of our core team.

You have to:
- be able to speak, write and read English
- be ready for new challenges
- be responsible worker
- have availability to travel and expend some time in Colombia, Brazil
- be a team worker
- be passionate about coding and sharing
- be happy

You will be able:
- to work flexible hours
- to work remotely
- to travel 
Como se candidatar
Send an email to: lennon.manchester@staunchrobots.com
Cidade
São Paulo - SP
Empresa
Staunch Robots


Fonte: OndeTrabalhar.com

[Oportunidade] Vaga Ruby/Rails em SBC

Estamos contratando desenvolvedores com ou sem experiência em Ruby/Rails para trabalhar em uma startup em São Bernardo do Campo.

Estamos avaliando qualquer nível de profissional com ou sem experiência em Ruby.

Área de Atuação:
Desenvolvimento / Programação

Escolaridade:
Indiferente

Idiomas:
Inglês Intermediário

Forma de Contratação:
A Combinar

Faixa Salarial:
A Combinar
Como se candidatar
vitor@corretagemfacil.com.br
Cidade
São Bernardo do Campo - SP
Empresa
CorretagemFácil


Fonte: OndeTrabalhar.com

quinta-feira, 25 de julho de 2013

[Oportunidade] Desenvolvedor Ruby - RS

Nível Hierárquico:
Analista/Gerente de projeto

Área de Atuação:
Desenvolvimento / Programação

Escolaridade:
Indiferente

Idiomas:
Inglês Fluente

Forma de Contratação:
A Combinar

Faixa Salarial:
Superior a R$ 2.500,00 
Como se candidatar
Mande e-mail para diego.valduga@deon-tech.com ou ligue para 51 96386780
Cidade
Gramado - RS
Empresa
VITRINES ONLINE


Fonte: OndeTrabalhar.com

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Instalando Ruby on Rails Windows 8


Olá pessoal, tudo tranquilo?

Gostaria de mostrar a vocês um jeito fácil de instalar o Ruby on Rails no Windows.
Apesar do título está se referindo ao Windows 8, poderemos instalar também no Windows 7 e XP.

Vamos começar?


Primeiro acessamos o site http://railsinstaller.org/

Fig.1: Rails Installer


No site tem um vídeo explicativo, mostrando as vantagens do Rails Installer. Aqui você pode conferir:





Na parte de downloads, selecionamos o arquivo desejado. Neste artigo foi baixado o Windows com o Ruby 1.9.


Fig.2: Download 


Após o download iniciamos a instalação.


Fig.3: Instalação (Welcome)


Aceitamos os termos.

Fig.4: Temos de uso


Escolhemos a pasta de destino.

Fig.5: Definição de local de instalação


Por fim, verificamos se todos os componentes foram instalados com sucesso. Entramos no Prompt de Comando e digitamos os comandos da imagem a seguir:

Fig.6: Verificando versões de componentes instalados

Se tudo ocorrer bem, as versões do ruby, gem e rails será informado.
Fácil né?

Qualquer dúvida, não exite em perguntar. 


Grande abraço!

[Oportunidade] Desenvolvedor Ruby - SP

O r7.com busca programador com anseio de buscar novos desafios para integrar sua equipe.

Requisitos:

-Ótimo conhecimento em orientação a objetos e design de software;
-Experiência com desenvolvimento e deploy de aplicações e sistemas web;
-Apresentar conhecimento avançado da linguagem Ruby;
-Vivência com TDD, testes funcionais e de performance;
-Conhecimento em armazenagem de dados, tanto relacional quanto orientado a documentos e disponibilização de dados como serviços;
-Experiência com ambientes onde a integração continua, automação de ambientes e releases é prioridade;
-Experiência em escalabilidade e melhoria de sistemas em produção.

Nosso ambiente é dinâmico e colaborativo, e ainda contamos com ótimos profissionais que buscam melhorar todos os aspectos do processo de desenvolvimento, então você terá a chance de compartilhar experiências e participar de projetos muito interessantes.

Além de oferecer este ambiente de valorização do conhecimento, contamos ainda com um salário bem competitivo e pacote de benefícios.

Se você se interessou pela vaga, não deixe de entrar em contato conosco no email vagas-r7@sp.r7.com dando uma breve descrição dos projetos no qual você já trabalhou juntamente com um curriculum atualizado.
Como se candidatar
Envie seu CV para vagas-r7@sp.r7.com com o título: Desenvolvedor Ruby
Cidade
São Paulo - SP
Empresa
Rede Record - R7.com

Fonte: OndeTrabalhar.com

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Instalação Ruby on Rails Windows 7

[ATUALIZADO E TESTADO]
[INSTALAÇÃO EM VÍDEO AQUI]

Olá pessoal, tudo bem?


A pergunta de hoje é: Como instalar o Ruby on Rails no Windows 7? Tem algum truque, ou algo em que devo me atentar? Isso é o que veremos a partir de agora!


Às vezes, na hora de uma instalação pode surgir problemas dos quais não sabemos o que fazer. Nessas horas recorremos ao google e procuramos algo para nos ajudar. E é com essa intenção que estou fazendo esse post, para justamente ajudar as pessoas que precisam desse auxílio, mesmo se tratando de uma instalação relativamente simples.


Irei detalhar passo a passo o processo de instalação do Ruby e Rails no Windows 7. Fiquem à vontade de tirar dúvidas ou fazer perguntas no espaço de comentários do blog Ruby on Rails Brasil. Aqui abordaremos a instalação do:



  • Ruby
  • Ruby Gems
  • Rails 

1ª Etapa: Instalando Ruby



Fig.1: Ruby


Primeiro de tudo é necessário a instalação do Ruby. Para isso, entramos no site http://rubyforge.org/frs/?group_id=167 e baixamos a versão estável mais recente. Para este artigo foi baixado a versão 1.9.3.


Fig.2: Site RubyFoge


Depois de ter baixado o executável, iniciamos a instalação.

Na tela inicial, aceitamos os termos de uso para poder prosseguir na instalação. 

Fig.3: Temos de uso


Escolhemos a pasta de destino e clicamos em INSTALL.

Fig.4:  Escolhendo a pasta de destino


Após a finalização da instalação, entramos no Prompt de Comando (cmd) do Windows e digitamos ruby -v para verificar se tudo ocorreu bem checando a versão do ruby instalado.

Fig.5: Verificando a versão do ruby


Terminado a verificação, iremos iniciar a segunda etapa.

2ª Etapa: Instalando o Ruby Gems

Agora precisaremos baixar o Ruby Gems. O site para download é o http://RubyGems.org/.

Fig.6: Baixando o RubyGems


Após ter baixado o RubyGems, extraímos os dados para uma pasta qualquer e localizamos o arquivo "setup.rb". Clicamos nela para instalar ou através do Prompt de Comando, entramos na pasta e executamos o camando ruby setup.rb.

Fig.7: Localizando o arquivo setup.rb


Após a instalação, verificamos se tudo ocorreu bem checando a versão do gem, digitando gem -v.

Fig.8: Verificando a versão do gem


3ª Etapa: Instalando o Rails

Agora colocaremos o ruby nos trilhos! O momento de instalar o rails.

Fig.9: Instalando o Rails


É simples essa última etapa. Abrimos novamente o Prompt de Comando e digitamos o seguinte comando: gem install -v=3.1.0 rails. Irá demorar um pouco, mas ao final já estará instalado o rails.

Fig.10: Instalando o rails


Em alguns casos, poderá aparecer a seguinte mensagem de erro:
ERROR: Error installing rails:
The ‘json’ native gem requires installed build tools.
Please update your PATH to include build tools or download the Dev
from ‘http://rubyinstaller.org/downloads’ and follow the instructi
at ‘http://github.com/oneclick/rubyinstaller/wiki/Development-Kit

Fig.11: Mensagem de erro


Se isso ocorrer, iremos no http://rubyinstaller.org/downloads e baixar o DEVELOPMENT KIT.

Extraímos ele em uma pasta qualquer e, no Prompt de Comando, entramos na pasta e digitamos:


ruby dk.rb init

e em seguida:

ruby dk.rb install

Após ter feito isso, voltamos ao início da 3ª etapa e instalaremos o rails novamente.
Digitando rails -v, verificamos se a instalação teve sucesso.


Fig.12: Rails instalado


FIM!


Pronto, a instalação do Ruby on Rails no Windows 7 foi concluída!
Espero que tenha ajudado.

Qualquer dúvida ou sugestão, utilizem o campo de comentários abaixo.


Abraços!